Ovos de páscoa e economia: você conhece a relação entre eles?

Todo ano quando chegamos perto da Páscoa ouvimos as mesmas reclamações sobre o preço dos ovos. Sendo assim, as comparações entre o preço dos ovos e das barras de chocolate não são novidade pra ninguém.

Da mesma forma, uma pergunta muito comum é: se o ovo e a barra possuem a mesma quantidade de chocolate, por que o ovo é tão mais caro?

Hoje, o Boletim Econômico te responde isso!

ovos de páscoa

Por que ovos de Páscoa são caros?

Antes de mais nada, para responder essa pergunta nós precisamos voltar em alguns conceitos econômicos, como o conceito de elasticidade-preço. Você conhece ele? Se não, não tem problema. Vou te explicar.

Primeiramente, a elasticidade-preço da demanda é um termo muito usado no estudo da microeconomia. A microeconomia é o campo de estudo da economia que analisa a formação dos preços no mercado e a relação desses preços com outras variáveis.

Desse modo, definimos como o seguinte: a elasticidade-preço da demanda é o quanto a demanda por um produto oscilará conforme uma mudança de preço desse mesmo produto.

Sendo assim, é esse conceito que nos permite medir o quanto as pessoas deixarão de comprar um produto caso seu preço aumente.

Equação

Ainda mais, como a grande maioria dos conceitos em economia, esse também tem uma equação para explicar sua ideia. A equação é a seguinte:

Ou ainda, em termos mais matemáticos:

De qualquer forma, essa equação medirá a oscilação da demanda por uma mercadoria em relação à sua mudança de preço. Desse modo, se um produto teve um aumento de preço em 24% e sua demanda caiu 10%, devemos realizar a seguinte conta:

EPD = -10%/54% = -0,185

Neste caso o produto em questão possui uma elasticidade-preço da demanda de -0,185, o que não é um número alto.

Sendo assim, quanto maior o resultado da conta, mais a demanda por um produto tende a cair em vista ao aumento de seu preço.

(Ah, vale sempre lembrar que o sinal da demanda é negativo, porque preço e demanda possuem uma relação inversa. Se um aumenta, outro abaixa, e vice-versa. Você pode ler mais sobre isso clicando aqui).

Gráfico

Uma lei geral dos números é que, para quase toda equação, você possui um gráfico. Na economia, isso é mais que verdadeiro. Vamos então conhecer o gráfico da elasticidade da demanda.

Neste gráfico, P1 é o primeiro preço e P2 o segundo preço. Da mesma forma, Q1 é a primeira quantidade demandada, e Q2 a segunda quantidade demandada. Ainda mais, ΔP é a variação no preço.

Com isso, podemos perceber que quando o preço varia de P1 para P2 (uma queda no preço), o gráfico apresenta um aumento de Q1 para Q2. Ou seja: Maior preço, menor consumo.

Mas afinal de contas, o que acontece com os ovos de Páscoa?

Bom, como dissemos acima, se o preço de uma mercadoria aumenta, seu consumo tende a diminuir. Mas tudo depende do resultado da equação.

Quanto mais elástico o produto for (maior EPQ), mais sua demanda cai com o aumento dos preços. No entanto, alguns produtos possuem elasticidade-preço da demanda baixa e são pouco elásticos (entre 0 e 1) ou totalmente inelásticos (0).

Em vista disso, você provavelmente já deve ter ligado os pontos em sua cabeça. A resposta para o problema dos ovos é puramente econômica: ovos de Páscoa possuem baixa elasticidade.

elasticidade

Ou seja, um aumento em seus preços não faz com que o consumo caia tanto. Desse modo, os fabricantes podem continuar vendendo ovos a preços mais caros, pois sabem que as pessoas comprarão.

Mas por que os ovos possuem baixa elasticidade?

Como gostamos de lembrar em nossos textos, a economia não é uma ciência exata, mas sim uma ciência social aplicada. Sendo assim, seus resultados estão sujeitos ao comportamento social dos seres humanos.

Aqui no Brasil, o comportamento em relação à Páscoa é bem específico. O brasileiro gosta de celebrar a Páscoa, principalmente por sermos um país de maioria cristã.

Além disso, ao longo dos anos a tradição pegou. E hoje, mesmo pessoas sem religião ou crenças costumam comemorar algumas datas. Não é raro ver pais ateus comprando ovos para seus filhos.

Desse modo, as relações socioeconômicas brasileiras fazem com que o consumo desses produtos especiais seja alto. Ainda mais, muitas pessoas tendem a fazer um esforço para pagar mais caro, seja para agradar filhos, namorados, ou até amigos…

páscoa

Em outros países, onde a tradição pascoal não é tão grande, isso não ocorre e os ovos não são tão caros. Mas, de novo, a economia é uma ciência social aplicada: diferentes regiões e momentos alteram a aplicabilidade das fórmulas e números.

Desse modo, ovos de Páscoa continuam sendo mais caros, mesmo possuindo a mesma % de chocolate que as barras: a tradição faz com que muitas pessoas ainda optem pelos ovos.

Se gostou desse texto, comente abaixo sua opinião. E mande ele para aquele seu tio que todos os anos faz a mesma pergunta durante o almoço de Páscoa!

🐰🥚 O Boletim Econômico deseja uma Feliz Páscoa para você e sua família.

Leia mais textos sobre conceitos econômicos clicando aqui.

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Anterior

Brasil pode deixar de vez o grupo das 10 maiores economias do mundo em 2021

Proximo Post

Por que o mercado asiático está em alta?

Talvez você goste