Guerra do Paraguai: o que foi e como afetou nossa economia?

Já de antemão, é possível que você tenha estudado esse tema na escola: a “Guerra do Paraguai” (leia com uma voz de dublagem clichê). Como professora, não posso me furtar de dizer sobre como a “escola passa” e não “nos passa”, em muitos momentos.

O que você quer dizer com isso, Francine? Em certas situações da nossa vida escolar, decoramos o conteúdo, não nos deixamos tocar pela seriedade do tema…

Na intenção de falar um pouco mais sobre a “Guerra do Paraguai” e seus impactos econômicos, usarei aqui, historiadores e teóricos de outras áreas. Como resultado, você conseguirá responder: o que foi a “Guerra do Paraguai”, como ela surgiu? Quais os motivos que levaram os países a guerrear? Por que o Brasil entrou nela? Como esse conflito interferiu na economia brasileira?

Vem tranquila(o) que eu vou te explicar! Então brilha que a gente vai aprender muito através do texto de hoje!

GUERRA DO PARAGUAI: O QUE FOI E COMO AFETOU NOSSA ECONOMIA?

O QUE FOI A “GUERRA DO PARAGUAI”?

Antes de mais nada, você saberia me responder o que foi esse conflito? Prezando pela ética do pesquisador, preciso lhe confessar de onde tiro todas essas informações! Vamos do começo! Tal qual uma amiga minha sempre diz: “um tamponamento cardíaco de cada vez”. Vamos cirúrgicos, com calma, como diz Cristina Yang em “Grey’s Anatomy“: sem pular etapas! 

GUERRA DO PARAGUAI: O QUE FOI E COMO AFETOU NOSSA ECONOMIA?

Em primeiro lugar, Lilia Schwarcz é uma pesquisadora, historiadora e dialoga com a área da Antropologia em seus estudos. De acordo com o seu currículo na plataforma Lattes, sua graduação em História foi realizada na Universidade na Universidade de São Paulo – USP. Do mesmo modo, seu mestrado em Antropologia Social, também na USP.

A professora costuma produzir alguns vídeos em seu canal no YouTube. Em “As tantas verdades da Guerra do Paraguai“, a autora fala sobre esse conflito. Segundo ela, como sendo o maior conflito armado envolvendo a América do Sul!

Conforme a doutora em “Antropologia Social”, todo conflito possui mais de uma narrativa. Similarmente, criando verdades. Sim, no plural! Dessa forma, não existe uma visão única sobre a Guerra do Paraguai! Afinal, a Guerra do Paraguai ocorreu entre os anos de 1864 e 1870.

Primeiramente, a expectativa da época era de que essa caótica situação durasse pouco tempo. No entanto, esse processo durou por seis anos. Segundo a premiada investigadora, arrasou com a economia de todos os países participantes!

GUERRA DO PARAGUAI x GUERRA DA TRÍPLICE ALIANÇA x GRANDE GUERRA

Em síntese, a história possui diversos pontos de vista. A princípio, no Brasil, conhecemos esse conflito como “Guerra do Paraguai”. Da mesma forma, esse nome carrega a ideia de que os “vilões” se encontram no Paraguai. Já na Argentina e Uruguai, esse conflito político e armado possui o nome de “Tríplice Aliança“! Essa junção de forças diz respeito à Argentina, Uruguai e Brasil. 

Por fim, no Paraguai, esse resultante de inúmeras mortes e perdas econômicas é conhecida como a “Grande Guerra”. O Paraguai ficou fragilizado com esse acontecimento.

Afinal, você deve se perguntar o porquê do Brasil entrar nessa guerra. Vamos conversar sobre isso:

COMO ESTAVA A ECONOMIA NO BRASIL NESSE MOMENTO?

Inicialmente, para Schwarcz, a nossa economia se mostrava positiva. Isso porque, ao mesmo tempo, o café começava a “despontar”. Como bem lembra a ganhadora do prêmio Jubuti, o “ouro negro”, ou seja, o café brasileiro, contava com um monopólio do comércio.

Desse modo, ele se estendeu por anos. Assim sendo, essa atividade econômica significava tal qual o alicerce da casa, era a estrutura que mantinha em pé o reinado de Pedro II em termos econômicos!

Ora, se estava tudo tão perfeito, por quê entrar em uma guerra?

Sob o mesmo ponto de vista, Solano López, considerado um ditador paraguaio, buscava escoar a sua produção econômica. Não adianta produzir um produto, é necessário, levar esse bem até o grupo ou país que vai consumir, fazendo a economia girar.

G.E.A. Cipriano Barata: A GUERRA DA TRÍPLICE INFÂMIASolano López

Por isso, o Paraguai usava o território do Uruguai para essa ação. Ao mesmo momento, o Paraguai queria seguir uma linha diplomática sem se envolver em conflitos, ou “dores de cabeça”.

Para entender um pouco mais sobre a relação entre Economia e Relações Internacionais, importância da Relações Internacionais, diplomacia e relação com outros países, clique no botão abaixo!

Desse modo, para a historiadora, as respostas para essa pergunta são múltiplas! Como resultado, para o Brasil, a guerra significava conquistar soberania na América do Sul.

Em síntese, foi uma questão territorial e política que produziu esse sanguinário combate. Pedro II já tinha uma estável política no Império Brasileiro e, por sua vez, buscava se espelhar naquilo que os Estados Unidos da América começava a efetivar na América: busca por poder além das fronteiras do país.

Esse território desejado era chamado de Cisplatina. Sendo assim, os interesses de Solano López e Pedro II estavam em choque. Essa situação já se mostrava um incômodo, de acordo com Schwarcz, desde a década de 50. Posteriormente, em 1864, se tornou insustentável.

Nesse meio tempo, o Uruguai é invadido por Solano López, que deixa o país sem escolhas. Desta forma, a Argentina se preocupa, com medo de ser alvo de invasões e precisa tomar uma atitude. Por fim, é formada então, a “Tríplice Aliança”. 

PERDAS HUMANAS, PERDAS ECONÔMICAS E A “GUERRA DO PARAGUAI”

Antecipadamente, preciso avisar à você, leitor, que a economia é fundamental para um país, é também ela que oferece recursos, cria e destrói pontes entre os países. Caso você não esteja convencido sobre o motivo pelo qual é fundamental entender pelo menos o básico de Economia, clique no botão abaixo!

Os dados apresentados é de que ocorreram perdas de 60 mil pessoas. Analogamente, Jorge Larossa, em “Linguagem e Educação depois de Babel”, propõe que nós “deixemos passar” essas mortes. No entanto, elas foram também perdas econômicas para o Brasil Império.

Para a economia se sustentar, precisamos de mão-de-obra, grupos consumidores, investidores! Assim, perdas humanas enfraquecem esse tripé. Logo após, com o desenrolar dessa situação, a docente relata sobre a decadência do Império Brasileiro.

Em vista disso, os grupos opositores se tornaram mais fortes: o Partido Republicano e o movimento abolicionista. Ou seja, o que estava sólido, se desfez. 

Como resultado, a “Guerra do Paraguai” contribuiu para a queda do sistema político imperial. Ainda mais, interferiu na economia brasileira. Antes desse conflito geopolítico, essa se encontrava estável, colhendo os frutos do início da produção lucrativa do café!

Em resumo, a Argentina e Uruguai perderam 50% de suas tropas, de acordo com Lilia Schwarcz. Juntamente com essa situação, o Paraguai perdeu cerca de 600 mil pessoas.

Logo, muitos homens, mulheres e crianças foram mortas nesse conflito político. Portanto, isso afetou o seu crescimento, que não apontava de maneira positiva.

Best Prince Charming Horse GIFs | Gfycat

FATORES ECONÔMICOS E ALIANÇAS NA “GUERRA DO PARAGUAI”

Fábio da Silva Pereira, professor de História Militar da AMAN, afirma que os custos da guerra são altos.

Da mesma forma, o Brasil já consumia muito dinheiro antes do conflito. Logo depois, foi a injeção do capital estrangeiro, que chegou devido à Guerra do Paraguai, que criou chances para o Brasil gastar mais.

Por um lado, era preciso: vestir, oferecer apoio médico, alimentar, oferecer munição aos envolvidos, entre outras ações. Isso, pois ocorriam conflitos locais com a participação de grandes potências.

Para lidar com a guerra, o Brasil utilizou de capital estrangeiro para despesas futuras! Crédito imediato, empréstimo, indenizações, foram todos gastos da nação brasileira.

Como ficou o comércio na Guerra do Paraguai?

Vendedores de gado e alimento movimentaram a economia naquele mome

nto de combate. Os artigos exportados pelo Paraguai eram: tecidos, tabaco, couro, entre outros. Tecidos, vinhos, entre outros, eram importados e consumidos pela elite local e grupos próximo ao poder central. A balança comercial paraguaia estava favorável à guerra.

Entretanto, a “Guerra do Paraguai” modificou a situação.

Mesmo que o Brasil se mostrasse vitorioso, a logística de “bancar” todos os custos da guerra endividou o país. O Banco Mauá ganhou relevância no período tendo em vista que fornecia dinheiro à Marinha e Exército, em troca de uma comissão de 1,5%!

O Brasil precisou se adequar à guerra, adquiriu recursos humanos e financeiros. Em resumo, isso significa direcionar recursos. Esses poderiam ser utilizados para dinamizar a economia, como o autor aponta. Em vista disso, eram usados para garantir os recursos necessários para a guerra!

“BATALHA DO AVAÍ” X “BATALHA DOS GUARARAPES”, REPRESENTAÇÕES DA GUERRA DO PARAGUAI

Por fim, os quadros “Batalha do Avaí” e “Batalha dos Guararapes” apresentam duas visões diferentes sobre o mesmo conflito. A intenção era a de representar em tela uma determinada visão em relação a um ocorrido. A pesquisadora já citada, produziu uma análise sobre essas produções artísticas culturais

Lembrando sempre que, antes, as artes (pinturas) eram a forma utilizada para representar momentos históricos. Os pintores eram, ainda mais que hoje, muito importantes, e a demanda econômica por essa mão-de-obra costumava subir durante períodos marcantes.

GUERRA DO PARAGUAI: O QUE FOI E COMO AFETOU NOSSA ECONOMIA?

O que achou do texto? Você já conhecia essa história? Conta pra gente nos comentários!

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Anterior

Nova onda de conflitos Israel x Palestina: o que está acontecendo?

Proximo Post

OS Tigres Asiáticos: O QUE SÃO E como enriqueceram tanto?

Talvez você goste