O legado de John Williamson, o pai do Consenso de Washington

Morto no último dia 11, aos 83 anos, John Williamson (1937-2021) ganhou fama como sendo o pai do Consenso de Washington, um conjunto de ideias que deram origem ao que chamaram de neoliberalismo.

Contudo, suas ideias vão muito além dos princípios definidos naquela reunião na capital dos EUA no ano de 1989.

Antes de tudo, Williamson foi um teórico do desenvolvimento. Deste modo, suas ideias ajudaram muitos países emergentes, bem como causaram muitas reações contrárias.

Quer conhecer mais sobre um dos economistas mais influentes da segunda metade do século XX? Fica no texto que a gente conta tudo.

Morre o economista John Williamson, pai do Consenso de Washington -  12/04/2021 - Mercado - Folha
John Williamson – Foto: Folha de São Paulo

A VIDA DE JOHN WILLIAMSON

John Williamson nasceu na pequena cidade de Hereford, na Inglaterra. Entre 1972 e 1974, foi conselheiro do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Williamson também foi um dos fundadores do PIIE (sigla em inglês para Instituto Peterson de Economia Internacional), além disso, colaborou com o Banco Mundial e a Organização das Nações Unidas.

Para saber mais sobre o FMI, clique no botão abaixo.

Ele também teve uma grande carreira acadêmica, deu aula nas Universidades de Princeton, Nova York, Warwick, MIT, bem como na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO). 

Foi durante a sua passagem pelo FMI que ele conheceu a brasileira Denise Rosemary Rausch, com quem casou, em seguida, o casal veio morar no Brasil.

Durante os anos 1978 e 1981, deu aula na PUC- RJ, onde foi colega do ex-Ministro da Fazenda, Pedro Malan e foi, também, professor de Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central.

WILLIAMSON,O PAI DO CONSENSO DE WASHINGTON

No fim dos anos 1970 e durante a década de 1980, a América Latina passou por diversas crises, foi um período de graves crises cambiais e inflação.

Assim, em 1989, um grupo de especialistas se reuniu em Washington, Estados Unidos, para pensar em estratégias para sair da crise.

Antes de mais nada, é preciso lembrar que as ideias propostas naquela reunião tinham ampla aceitação internacionais, tais como o Banco Mundial e o FMI.

Assim, os dez princípios de política econômica aplicáveis à América Latina definidos naquela reunião foram chamados de Consenso de Washington.

Assim, o nome da capital dos EUA ficou eternamente atrelado a essas ideias.

O economista Gustavo Franco, um dos pais do Plano Real, brinca que este foi ”uma das piores jogadas de marketing da história”.

Fraga sugere um 2º mandato para BC suavizar choques da atividade - Money  Times
Pedro Malan e Arminio Fraga, ex-colega e ex-aluno de Williamson na PUC-RJ, respectivamente.

O CONSENSO DE WASHINGTON

John Williamson e seu grupo de economistas definiram 10 princípios para evitar as crises na América Latina e outros países em desenvolvimento. São eles:

  • Disciplina fiscal;
  • Focalizar mais gastos públicos em educação, saúde e infraestrutura;
  • Reforma tributária com base ampla a alíquotas moderadas;
  • Liberalização do setor financeiro;
  • Taxa de câmbio competitiva;
  • Abertura comercial;
  • Privatizações;
  • Eliminar maiores barreiras à abertura e fechamento de empresas;
  • Respeito aos direitos de propriedade.

A Lista de Williamson propôs políticas, até então, ”inovadoras” para muitos países da América Latina marcada por protecionismo, estatismo e inflação alta.

No Brasil, alguns desses princípios podem ser observados no governo FHC, principalmente.

Assim, os princípios definidos nesta reunião geraram muitas críticas e elogios. Contudo, muitos destes princípios parecem temas banais hoje em dia e com ampla aceitação.

O QUE JOHN WILLIAMSON DEFENDIA

John Williamson nunca quis a fama de neoliberal. Na verdade, ele não gostava desta definição segundo a qual o Consenso de Washington fosse uma expressão do neoliberalismo.

Williamson nunca compartilhou de um ”fundamentalismo de mercado” e outras doutrinas excêntricas neste sentido, ou seja, estava bem distante de um suposto neoliberalismo.

Incomodado com a fama de ser o pai de uma doutrina neoliberal, ele escreveu, então, um novo artigo. Neste artigo, defendeu distribuição de renda, falou sobre as falhas de mercado, bem como a conservação dos recursos naturais.

Eventualmente, a fama de neoliberal fez com que muitas de suas contribuições não fossem percebidas pelo grande público.

Certa vez, Theresa Williamson, sua filha, perguntou ao pai o que ele havia defendido com mais ardor. Ele respondeu: sistema de bandas cambiais, a formação do Euro, taxação do carbono e a vinculação de dívidas dos países à taxa de crescimento.

Assim, podemos ver ele também preocupava-se com o meio ambiente.

Paul Krugman, vencedor do Nobel de Economia, disse que Williamson foi “uma pessoa adorável, que teve uma grande contribuição para a economia internacional”.

O Nobel Paul Krugman alerta: "temos uma enorme bomba-relógio fiscal a  caminho" | NeoFeed
Paul Krugman, vencedor do Nobel de economia, homenageou Williamson em suas redes sociais.

Krugman também lembrou que seu colega ajudou a criar o sistema de bandas cambiais, este sistema ajudou países emergentes a escapar de crises nos seus balanços de pagamentos.

Para ver o que colegas de Williamson falaram sobre sua morte, clique no botão abaixo.

A ÚLTIMA VEZ NO BRASIL

Enfim, ele visitou o Brasil foi em 2014, num evento em homenagem aos 70 anos de Pedro Malan.

Onde ele previu o Brexit, bem como analisou a crise do euro. Também defendeu políticas de controle de preços e salários para evitar a piora da recessão na Europa.

John Williamson morreu no dia 11 de abril, aos 83 anos, em sua casa em Chevy Chase, Maryland, deixando um legado de contribuições à teoria do desenvolvimento, regimes cambiais, reforma monetária e muitos outros.

Eae, gostou do texto? Comente aqui embaixo para a gente.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

O que é a CPI da COVID-19 e como ela pode afetar o Governo?

Próximo

Políticas Sociais e o crescimento do Brasil andam juntos?