O aquecimento global e a nova logística do planeta

Por diversos motivos científicos, climáticos e geopolíticos o aquecimento global é uma discussão que voltou a tomar fôlego no cenário mundial.

Não por acaso, em 2021 vimos diversos eventos climáticos ao redor do globo que mostram de forma clara os perigos do avanço desse fenômeno.

Contudo para além do que é noticiado, o aquecimento global trás consigo mudanças mais complexas, entre elas a forma como a humanidade movimenta-se pelo planeta terra.

Hoje vamos falar um pouco sobre a rota marítima do Ártico, vem com a gente!

Aquecimento Global

Em Agosto a ONU fez uma publicação inédita trazendo dados sobre o aquecimento global. Para isso eles reuniram cientistas que analisaram milhares de evidências e concluíram: a interferência do homem no clima do planeta é um fato.

Contudo, ficou também constatado que alguns desses impactos são de caráter irreversível, e isso acende uma luz vermelha quanto ao futuro do clima global.

Assim, é fato também que de 2011 a 2020 a temperatura global foi 1,09ºC mais alta, do que no período pré-industrial entre 1850 e 1900.

Em síntese, temos como resultado impactos direto sob a calota ártica, como podemos ver a seguir:

https://www.bbc.com/portuguese/geral-46424720

Por vezes, vemos impactos desse degelo sobre os ecossistemas do Ártico, assim como nos continentes, com cidades costeiras aos poucos sendo engolidas pelo avanço mar.

Contudo, o aquecimento global cria novas possibilidades logísticas para o planeta e a principal mudança nesse sentido é a abertura permanente da rota marítima do ártico.

Rota do Ártico

Antes de mais nada é importante ressaltar que durante muitos séculos até 1950 era impossível transitar pelo ártico em qualquer época do ano. Isso devido a espessura das placas de gelo mesmo no verão, na época do degelo.

Contudo, devido aos efeitos do aquecimento global e o degelo, tornou-se possível transitar pelo Ártico em determinados anos, apenas no verão.

Finalmente em 2020, em pleno inverno do hemisfério norte, um navio quebra gelo russo conseguiu abrir caminho pelo ártico para um petroleiro que vinha em seu encalço.

Quebra-Gelos Russo

Com isso, foi anunciado no final de fevereiro de 2021 a possibilidade de transitar pela rota do Ártico durante todo o ano. Mas por que isso é tão revolucionário para a logística do planeta?

Nova Logística Global

Apesar de todo o interesse, em especial da Rússia e dos países escandinavos, em explorar petróleo no Ártico, existe outro fator de tão valioso quanto: O caminho mais rápido da Europa para Ásia é “por cima” do globo.

Diante disso, a abertura permanente das rotas marítimas do Ártico, sem dúvidas indicam uma revolução na movimentação de cargas ao redor do globo.

Para se ter ideia do valor dessas rotas, o próprio Donald Trump já tentou comprar a Groelândia, ciente da importância estratégica de estar posicionado na região.

Rotas

Os estudos apontam que até 2050, durante o verão, a calota polar ártica suma por completo aumentando ainda mais a movimentação na área, isso já aconteceu em momentos eventuais ao longo da história.

Todos os anos ocorre um degelo natural, sendo que esse vem se acentuando com os efeitos dos gases estufa ao longo das décadas, como podemos ver abaixo.

Degelo do Ártico ao longo das décadas

Não por acaso países como a China começaram a encomenda de navios com a proa reforçada e com tecnologia suficiente para atuar como quebra-gelo no Ártico.

Por exemplo, a Coréia do Sul, apesar de não estar envolvida estrategicamente com essas rotas é o maior fabricante de navios do mundo, e seu mercado vem muito aquecido com encomendas desses tipos de navio.

Nesse sentido, vamos entender as rotas. Na imagem marcado em verde, temos a passagem do Nordeste, que é a mais conhecida e utilizada atualmente, e compreende a maior parte do litoral ártico da Rússia.

Da mesma forma em vermelho temos a rota do Noroeste, que compreende, grande parte da costa do Canadá, o Alasca e a Groelândia. Daí o interesse do Trump nessa aquisição.

Rotas marítimas do Ártico

Inclusive existe uma terceira rota conhecida como transpolar cruzando o Ártico de ponta a ponta.

Atualmente, devido ao volume de gelo, essa rota ainda não existe mas, como vimos, ela caminha para a viabilidade, com previsão para talvez 2040.

Suez

Mas e aí? qual a grande revolução proposta pelas rotas do Ártico?

Vamos lá, as rotas marítimas da Europa para a Ásia, contornavam o continente africano pela rota do Cabo da Boa Esperança, em vermelho na imagem.

Assim como é notável pela imagem, a construção do Canal de Suez, encurtou esse trajeto em cerca de 7 mil quilômetros.

Contudo, Suez depende da estabilidade no oriente médio para se manter viável, além da região ser um foco de atividades de pirataria. Isso encarece os custos com segurança das cargas.

Agora, vamos girar um pouco nosso mapa e olhar um por outro ângulo.

Dessa forma podemos ver na imagem um comparativo entre a rota pelo Canal de Suez e a rota do Nordeste no Ártico.

Comparativo entre as rotas Suez e Nordeste

A rota por Suez, apesar de encurtar 7 mil quilômetros em relação ao Cabo da Boa Esperança, trata-se de uma rota de cerca de 21 mil quilômetros.

A rota do Nordeste saindo de Rotterdam, pela costa da Escandinávia até o estreito de Bering tem pouco mais de 14 mil quilômetros.

Dessa forma, em termos de tempo, nas rota por Suez temos em torno de 22 a 30 dias, contra a passagem do Nordeste que o faz em torno de 7 a 15 dias. Percebe o impacto?

Nesse sentido as reduções de custos de transporte na passagem do Nordeste são mais que significativas. Além de ser uma área desprovida de pirataria devido as suas condições naturais.

Recentemente o Boletim falou sobre a crise no canal de Suez e o peso dessa rota para o mundo, para dar uma olhada clique aqui.

Rússia 2050

Por fim, os mais atentos já perceberam que a rota mais viável atualmente, ou seja a passagem do Nordeste, margeia todo o litoral do Ártico russo. Que por sua vez, uma série de restrições foram colocadas pelo governo russo para essa rota.

Navios comerciais precisam necessariamente ser escoltados por quebra-gelos russo e navios militares precisam informar com bastante antecedência sobre sua passagem ao Governo Russo.

Estudos apontam que a Rússia, sob controle dessa nova rota se posicionará entre as 3 maiores potência econômicas do mundo até 2050. O Governo Russo tem ciência disso e trabalha firmemente com o objetivo de controlar e desenvolver essas rotas.

Mas, isso é assunto para outra matéria.

Então, o que achou da matéria? Conta pra gente nos comentários! Até a próxima.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Qual é a importância da política fiscal?

Próximo

Como o Talibã assumiu controle do Afeganistão?