Quais são e como funcionavam as 9 moedas brasileiras?

Desde já, me sinto velha falando sobre isso, mas vamos lá! De antemão, quando pequena, conheci algumas pessoas que colecionavam em pastas várias notas antigas de moedas brasileiras.

Dessa forma, passava horas observando, imaginando por quantos bolsos essas notas já haviam passado.

Essas moedas brasileiras haviam passado pelas mãos do comerciante, da mãe que trabalha para alimentar a família… Todas essas pessoas, comuns, simples, como você, eu, compõem a história!

Essa “História do Cotidiano” é extremamente importante! Logo, te pergunto: você conhece quais foram as nove moedas brasileiras que estiveram nos bolsos do cidadão? Quando o Brasil introduziu essas moedas na economia? Ainda mais, quando e porquê foram retiradas?

É isso que eu te conto hoje!

A MERCADORIA USADA COMO DINHEIRO

A princípio, precisamos pensar que não se começa, imediatamente, com a utilização de uma moeda brasileira, como conhecemos atualmente. Não! Desde já, precisamos reafirmar que não existia um Brasil.

Do mesmo modo, estamos falando do Brasil Colonial, processo de invasão, disputas, guerras, trocas. Assim, são encontros e desencontros de indígenas e europeus. Atenção! Precisamos ficar atentos que os grupos indígenas são vários, com suas histórias, etnias, línguas, disputas internas.

Primeiramente, o Banco Central do Brasil produziu, no ano de 2004, uma segunda edição de uma cartilha especial. Esse material é a base para essa lista! O “Dinheiro no Brasil” aponta que o pau-brasil foi uma mercadoria usada para a troca entre esses sujeitos que aqui se encontraram/desencontraram. Logo depois, um tipo de concha foi usado pelos escravos para manter um forma de troca. Ainda mais, fumo, açúcar, pano de algodão, foram moedas de troca do período. 

Por um lado, a referência acima citada usa a palavra descoberta para falar desse momento de contato. Com isso, por uma questão ética, preciso aqui, apontar a discordância, adotando o termo: invasão. 

AS PRIMEIRAS MOEDAS

A princípio, a partir do processo de colonização, vários grupos distintos começam a fazer circular várias moedas. Podemos citar, por exemplo: o “Real espanhol”, “vinténs – D. João IV”, “Cruzado – D. João III”, “Tostão – D. Manuel I”. Em 1850, começaram a circular moedas espanholas de prata. Devido a união das coroas, precisamos pensar em Portugal e Espanha, talvez, como uma unidade.

Carimbos como moedas brasileiras?

De antemão, Dom João IV usou a aplicação de carimbos nas moedas das duas nações apontadas acima. Assim sendo, a função dos carimbos era sinalizar o aumento do valor das moedas. Mais tarde, ocorreu o domínio holandês na região do nordeste brasileiro.

Nesse meio tempo, entre 1630 – 1654, as moedas cunhadas no Brasil foram os florins e soldos. Talvez você se pergunte: por que a utilização dessas moedas? Não raramente, seus usos eram para pagar as tropas e fornecedores.

Por um lado, a marca da “Companhia de Comércio das Índias Ocidentais” estava gravada nas moedas. Não obstante, a palavra “Brasil” aparecia na parte de trás das moedas.

Em seguida, em 1694, Dom Pedro II criou  a primeira “Casa da Moeda”! Assim, as moedas em circulação deveriam passar pelo local. Conforme essa ideia, eram transformadas em moedas provinciais. Por fim, devido a riscos, problemas, a “Casa da Moeda” foi mudando de lugar!

QUAIS SÃO E COMO FUNCIONAVAM AS 9 MOEDAS BRASILEIRAS?

AS PATACAS, DOBRÕES E RÉIS

Em resumo, as “Patacas” se destacam pelo seu tempo de circulação! Nesse meio tempo, entre 1695 à 1834, essas moedas passaram por várias mãos cansadas e trabalhadoras.

Como resultado da exploração aurífera, começaram a cunhar moedas que chegaram a pesar 53,78 gramas! Afinal, essa era uma das moedas mais pesadas, em ouro, que esteve nas mãos das pessoas. Por fim, os “Réis” também se destacam pela circulação no Período Colonial.

CRUZEIRO (1942 – 1967)

Segundo a Casa da Moeda, em 1942 existiam 56 tipos de cédulas no Brasil. O dinheiro precisava ser mais uniforme! Sendo essa a razão pela qual o antigo “Réis” é substituído. A moeda brasileira, “Cruzeiro”, passa a valer, correspondendo a mil réis.

CRUZEIRO NOVO (1967 – 1970)

Não raro, ocorreu a desvalorização da moeda brasileira, o “Cruzeiro”. Sob o mesmo ponto de vista, foi criada uma adaptação temporária! Desse modo, as novas cédulas eram criadas. Ao mesmo tempo, cortava-se os três zeros da moeda brasileira anterior. O Cruzeiro Novo recebeu carimbos para mostrar os novos valores. Desta forma, mil cruzeiros significavam um cruzeiro novo.

QUAIS SÃO E COMO FUNCIONAVAM AS 9 MOEDAS BRASILEIRAS?

CRUZEIRO (1970 – 1986) e CRUZADO (1986 – 1989)

Igualmente, essa nova moeda brasileira mantém a equivalência com o Cruzeiro Novo. Tal como o Banco Central do Brasil aponta, a inflação foi o motivo da troca para o “Cruzado”! Conforme esse raciocínio, um cruzado equivaleria a mil cruzeiros. Enfim, a maioria das notas brasileiras recebeu carimbos ou foram alteradas as suas legendas!

Atenção, como é de se imaginar, produzir uma moeda nova custa dinheiro. Por isso, as vezes, surgiam outras alternativas, como o uso do carimbo!

QUAIS SÃO E COMO FUNCIONAVAM AS 9 MOEDAS BRASILEIRAS?
QUAIS SÃO E COMO FUNCIONAVAM AS 9 MOEDAS BRASILEIRAS?

CRUZEIRO (1990 – 1993)

Similarmente, de acordo com a Cartilha aqui tão apresentada, foi instituído o “Cruzado Novo” em janeiro de 1989. Não obstante, o carimbo apareceu novamente nas cédulas. Posteriormente, foram emitidas cédulas para dar conta de uma padronização da moeda brasileira!

QUAIS SÃO E COMO FUNCIONAVAM AS 9 MOEDAS BRASILEIRAS?

CRUZEIRO REAL (1993 – 1994)

Como resultado de uma reforma monetária, foi instituído o “Cruzeiro Real”. Assim sendo, mil cruzeiros eram equivalentes a um cruzeiro real! Em consonância, foi utilizado o mesmo padrão e emitidas novas cédulas dessa nova moeda brasileira!

QUAIS SÃO E COMO FUNCIONAVAM AS 9 MOEDAS BRASILEIRAS?

REAL (1994 – ATÉ HOJE)

Se antes fizemos “gambiarras”, uso de carimbos, substituição de legendas, agora, a partir do “Plano Real”, as coisas se modificaram um pouquinho! Conforme pensado, todo o dinheiro em circulação foi substituído!

Da mesma forma, me recordo que quando criança, minha mãe sempre comentava sobre como foi um momento de apreensão e expectativa. Como seriam as cédulas dessa nova moeda brasileira? O povo acabaria prejudicado? Em suma, o Real é equivalente a 2.750 Cruzeiros Reais.

Com isso, precisamos pensar que as várias mudanças de moedas acabavam gerando certa insegurança no povo. Em vista disso, os vários momentos de inflação, tornaram urgente um plano que reformulasse a moeda brasileira! Em suma, foi um importante momento, situação que deveria criar maior estabilidade econômica para o país.

Caso você se interesse mais pelo tema, assista o documentário “12 moedas”Segundo essa fonte, as várias trocas de moedas também foram motivadas pela falta de segurança, confiança. O povo não acreditava no poder da Nação, da sua economia e direcionamento. Em suma, acrescento a inflação como grande motivador da troca de moedas.

Quer saber mais sobre o Plano Real? Clique no botão abaixo e confira nosso texto exclusivo sobre!

Por fim, o que você achou de todas essas reviravoltas? Comenta aqui, vamos conversar.
Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

O que está por trás da alta dos preços dos alimentos?

Próximo

Por que as Universidades Federais estão em crise?