Real digital: entenda a moeda digital brasileira

Você sabe o que são as moedas digitais?

Mas não estou falando do bitcoin, e sim de uma moeda digital lastreada na sua versão física e controlada por um Banco Central.

Bem, o Brasil tem planos de uma moeda assim, então vem comigo que eu conto mais desse estilo de moeda e do plano brasileiro aqui!

O que são essas moedas digitais?

Uma moeda digital é uma forma de dinheiro que existe apenas no mundo virtual, ou seja, você não pode diretamente sacar esse dinheiro, ou seja, a instituição que guarda esse dinheiro necessariamente tem que ter uma forma de te entregar esse dinheiro na versão física se você quiser.

Um dinheiro que existe apenas em bits e bytes. Muito como o bitcoin. Mas a versão que falamos hoje é uma versão estudada por Bancos Centrais ao redor de todo o mundo e elas funcionam de uma forma um tanto quanto diferente do bitcoin.

Bitcoin Cheers GIF - Bitcoin Cheers BitcoinCheers GIFs

Enquanto a moeda digital mais famosa do mundo precisa ser minerada e tem seu valor lastreado em nada além das quantidades correntes, muito como funciona o ouro, por exemplo, as moedas digitais seriam lastreadas na moeda nacional real.

Ou seja, um dólar digital seria igual em valor a um dólar real, seja isso bom ou ruim pra economia num dado momento.

Portanto, para manter essa paridade intacta, para se adquirir uma unidade dessa moeda digital é preciso entregar ao Banco Central do país uma unidade clássica da moeda real, assim mantendo a circulação de moeda no mercado exatamente igual.

Onde Está Sendo Aplicado

Contudo essa nova forma de moeda ainda está nos primeiros estágios de desenvolvimento. Em mais de 60 países a tecnologia é estudada em diferentes níveis de avanço.

Podemos citar a China como o país mais avançado no quesito. A versão digital da moeda chinesa já passou por testes no mundo real e já começa a ser lentamente implantada no país.

real digital

Porém países como Japão, Suécia, Bahamas, África do Sul e Turquia, já apresentam planos também avançados sobre como começar a testar a moeda.

O Real Digital

O plano brasileiro para o Real Digital se apoia em uma das maiores conquistas civis nos últimos tempos pra a sociedade brasileira como um todo. A Lei Geral de Proteção de Dados, que garante a confidencialidade de dados importantes das pessoas.

A lei é considerada uma das mais avançadas do mundo, junto com as leis da União Europeia para o tema.

Embora o BC brasileiro ainda esteja fazendo estudos preliminares sobre o Real Digital, conquistas recentes como o Pix e o Open Banking são passos importantes para testar a conectividade digital da economia brasileira, além de servir como um teste para a segurança e força das instituições bancárias brasileiras.

Por isso, uma moeda digital irá exigir, com toda certeza, um reforço de segurança e tecnologia enorme para todos ligados ao sistema bancário e monetário do país.

O uso no dia a dia

Um dos pontos mais importantes das moedas digitais seria a possibilidade de integração total com a chamada Internet das Coisas, “IoI” na sigla em inglês. Uma geladeira que automaticamente faz as compras quando as coisas vão acabando, renovações automáticas de serviços de assinatura recorrentes.

real digital

Pagamentos puramente instantâneos e sem necessidade de uma pessoa física ou de uma intermediação.

Já pensou em passar num pedágio sem ter que se preocupar se você tem créditos para o sistema sem parar ou dinheiro em mãos? Essa é a ideia do Real Digital. Uma cobrança automática, sem intermediários e sem burocracias.

Embora não possamos saber se esse plano se concretizará em qualquer momento por agora, é um projeto muito ambicioso, este realmente parece ser o futuro do sistema monetário não só brasileiro, mas também mundial.

Cada vez mais conectado e menos burocrático.

E você, o que acha dessa novidade? Deixe sua opinião nos comentários!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

5 curiosidades sobre a economia das Olimpíadas do Japão

Próximo

Fundo Eleitoral: o que é e quanto custará em 2021?