A migração japonesa e a economia brasileira

Nosso grande território possui um leque muito de possibilidades culturais. São múltiplas as histórias. Assim, ao ligar a televisão, podemos ver rostos diferentes, sotaques únicos.

Porém, é intrigante observar que grande parte dos atletas da seleção brasileira do tênis de mesa possuem ascendência japonesa. Mas porque ocorreu essa migração japonesa?

A MIGRAÇÃO JAPONESA E A ECONOMIA BRASILEIRA
Acesso em: 30 jul. 2021.
Bairro Liberdade em São Paulo

Por essa razão, começamos a nos perguntar como e porquê os japoneses imigrantes vieram para cá. Que motivação econômica existiu por trás da migração japonesa?

Aliás, nos perguntamos cada vez mais isso, tendo em vista a fuga de cérebros” na atualidade. Para melhor entender o termo:

Enfim, para entender a presença dos japoneses e seus descendentes no Brasil, a motivação das suas vindas e o aspecto econômico envolvido nisso, cola aqui!

CONTEXTO BRASILEIRO E ESCRAVIDÃO

Falar de uma migração japonesa significa entender ela se inicia. Ou seja, precisamos perceber a realidade brasileira do período.

Dessa forma, como historiadora, preciso apontar algumas mudanças econômicas e de mentalidade do período. Tal como bem se sabe, quando assinada a Lei Áurea, o Brasil passou por um período de mudanças que trouxeram também algumas alterações na mão de obra.

Assim sendo, o Brasil agora possuía homens livres, que deveriam receber pelo seu trabalho de maneira digna, na teoria.

A partir do fim da escravidão, a pessoa recém-liberta não recebeu um auxílio, terra ou animal para ser inserida na sociedade de forma a ter condições de se sustentar. Libertou-se mas não foi feita uma reparação.

Acrescento que a libertação não foi algo “de mão beijada”. Ocorreu muita resistência dos povos escravizados (principalmente), pressão externa e mobilização abolicionista.

CONTEXTO HISTÓRICO, POLÍTICO E ECONÔMICO

Tratava-se de um momento em que o Mundo Moderno, a modernidade, se colocava no Brasil.

Terminava-se o Império e a República começava.

Essa nação queria se mostrar jovem, dentro das tendências da época.

Ou seja, tudo que tivesse relação com a escravidão, um mundo atrasado, velho, deveria ser afastado. As ruas deveriam ser largas, modernas, desenhadas pela ideia de racionalidade. Assim, o planejamento urbano deveria ser ordenado.

Partindo de uma visão de superioridade europeia, começaram os incentivos de receber imigrantes. Mesmo que inicialmente pensasse em europeus, outras nacionalidades também se direcionaram à nova República.

A migração japonesa é pensada a partir daí!

Em suma, a mão de obra deveria ocupar o espaço vazio deixado pelo sujeitos escravizados.

Em resumo, a economia brasileira se modernizava, queria se afastar do passado escravocrata. Por essa razão, se dirigia ao novo, ao moderno, desenvolvido. As ferrovias, estradas, adaptação e construção de cidades foram realidades naquele período.

A MIGRAÇÃO JAPONESA E A ECONOMIA BRASILEIRA
Ouro Preto
A MIGRAÇÃO JAPONESA E A ECONOMIA BRASILEIRA
Belo Horizonte no período JK

DIÁSPORA JAPONESA

Em suma, um dos grupos que se dirigiu ao Brasil foram os japoneses.

Essa diáspora possuía motivações! Não se sai de um local sem motivos!

Mas afinal, o que motivou a vinda de japoneses para esse território? Em síntese, a mentalidade moderna, o fim da escravidão e a procura por mão de obra foram importantes para essa migração japonesa.

Desde 1639 até 1853, o Japão ficou fechado. Não se pensava na entrada e saída de pessoas.

Essa última data marca o momento em que a frota naval americana entrou no espaço japonês. Nessa situação, o Japão passou a ser forçado a entrar na dinâmica comercial internacional.

Mesmo com essa ação, o país oriental ainda se fechava, proibindo a saída dos seus cidadãos.

Afinal, a partir do momento em que o imperador Meiji passa a aceitar e encorajar essa ação, os japoneses vão explorar outros ares.

O Japão se torna capitalista, industrial. Similarmente, sua política se transforma.

A ideia de modernidade ocidental também começa a se colocar naquela realidade. Os centros urbanos ganham foco, as pessoas começam a sair do campo em direção às cidades.

Os ‘nikkei’ passam a procurar melhores condições. O termo é usado para designar os japoneses que saíam de seus países.

Era necessário ampliar o horizonte econômico e político da nação. Inicialmente, o México e Estados Unidos foram os locais escolhidos pela diáspora, migração japonesa.

MIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL

A imigração dos japoneses, segundo a BBC, se inicia em 1908. Dessa forma, a quantia de pessoas vindas para as terras tupiniquins era de 778 camponeses. No entanto, o ‘jogo vira’ e a América Latina passa a ser foco desses cidadãos.

Dos 245 mil japoneses que vieram para a América Latina, 189 mil se destinaram ao Brasil.

Inicialmente a intenção era arrecadar dinheiro e retornar ao Japão.

Além disso, em 1970 essa diáspora é finalizada. Essa situação finda pois o país oriental se desenvolveu.

Se o maior destino dos japoneses é o Brasil, os brasileiros representam uma das maiores quantias de imigrantes no solo japonês!

A MIGRAÇÃO JAPONESA E A ECONOMIA BRASILEIRA

IDENTIDADE E DIÁSPORA

Em vários casos, essas pessoas ainda carregam as tradições culinárias, culturais e educacionais das suas famílias!

Assim sendo, significa uma mescla de ideias e percepções do mundo. Alguns desses descendentes se identificam mais com uma cultura do que outra!

Por essa razão, as identidades dessas pessoas se transformam.

A migração e contato com outras culturas que permite a criação de soluções para problemas. Além disso, significa conhecer o outro e o entender enquanto pessoa.

Em resumo, essa migração por razões econômicas, garante uma maior diversidade no país. E ela se expressa nas olimpíadas, nos bairros das cidades, nos rostos nas ruas.

Gostou do texto? A área dos comentários está aberta pra gente trocar ideia!

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anterior

Trabalho doméstico e classe média: qual a relação?

Próximo

Tunísia, o que está passando na última democracia árabe?