Alexander Hamilton: quem é o homem por trás da nota de 10 dólares

Nos últimos dias, o nome de Alexander Hamilton voltou a ser um destaque na internet. Isso porque o musical da sua biografia veio junto com a nova plataforma de streaming, o Disney+.

Mas, quem é esse sujeito que está na nota de 10 dólares e tem um musical da Brodway?

Para saber mais, continue lendo.

Alexander Hamilton

Alexander Hamilton é um dos chamados “Pais Fundadores” dos Estados Unidos da América. Esses são aqueles que assinaram a Declaração de Independência dos Estados Unidos no ano de 1776.

Porém, Hamilton, diferentemente da maioria dos “Pais Fundadores”, tem uma história de vida humilde, na qual passou por alguns “perrengues”.

Primeiramente, Alexander Hamilton era bastardo, ou seja, ele é um filho “fora do casamento” da mãe. Além de todos os preconceitos vividos na época, um filho bastardo não tinha alguns direitos, como por exemplo, estudar em uma escola Anglicana.

Alexander Hamilton

• Veja também: Disney+: entenda tudo sobre a plataforma de streaming

Alexander órfão

Alexander foi abandonado pelo pai, e em 1768, sua mãe acaba falecendo. Dessa forma, aos treze anos de idade, ele ficou órfão. Com isso, veio a primeira consequência de ser um filho bastardo.

Hamilton não teve direito a nenhum bem de sua mãe. Ou seja, além de órfão com 13 anos, ele não tinha nada. Ele então foi acolhido por um primo, que morreu um ano depois disso.

Agora totalmente desamparado, Hamilton foi acolhido por um mercador local, e foi através dele que aprendeu um pouco de economia e direito.

Porém, alguns anos depois sua vida deu uma melhorada.

A melhora na vida

Por incrível que pareça, a melhora de vida de Hamilton veio a partir de um furacão. Alguns anos depois de ser adotado, houve o furacão em Santa Cruz. Alexander Hamilton fez uma carta relatando como foi toda a situação.

Essa carta ficou muito famosa, sendo traduzida em outras línguas até (Engraçado o mundo antes da televisão, não é mesmo?).

As pessoas de sua comunidade, fascinadas com a escrita dele, decidiram fazer uma “vaquinha” para pagar os estudos do garoto. Mas, adivinha? Por ser um filho fora do casamento, ele não podia.

Ele então foi para Nova Iorque, onde estudou em uma escola preparatória e depois virou aluno do que hoje é a Universidade de Columbia.

• Veja também: Tudo sobre a participação de Bolsonaro no G20

A militância política

Foi aí que Hamilton começou a sua militância política a favor da independência dos Estados Unidos. Dessa forma, Hamilton, de forma anônima, escrevia manifestos contra pessoas que faziam discurso pró-Inglaterra.

Assim, ele ficou ainda mais “famoso” (entre aspas, porque era anônimo), e isso o encorajou a continuar nessa vida. Porém, seus estudos não foram muito longe. A Universidade de Columbia foi fechada por um ato inglês.

Sem os estudos, ele foi para o exército. Assim, começou a participar de combates revolucionários, sendo o capitão de sua tropa. Com isso, ele foi convidado para ser auxiliar de George Washington.

Depois de ganhar a guerra, ele foi eleito para o Congresso dos Estados Unidos. E foi quando ele tem um papel fundamental na fundação do país. Vale lembrar que a Constituição e a declaração de independência têm 10 anos de diferença.

Isso porque o embate era: Seremos um país com uma federação forte, ou os Estados terão mais autonomia? Hamilton era a favor da federação forte, que é um pouco o que temos no Brasil hoje. Por outro lado, Thomas Jefferson era seu rival intelectual.

As criações de Hamilton

Para incentivar as pessoas a “comprar” sua ideia, Hamilton foi um dos autores dos Papeis Federalistas, um dos documentos mais importantes de lá até hoje. Com isso, foi criado um governo federal, com autoridade.

Logo depois, foi criado, em 1791, a Bill of Rights, que contém as 10 primeiras emendas da Constituição Norte Americana.

Dessa forma, o Governo Federal assumiu a dívida dos Estados, que era proveniente da Guerra de Independência, e então foi criado o primeiro Banco dos Estados Unidos. Hamilton era presidente do Tesouro nessa época.

Início da queda

Em 1800, ele rompe com o atual presidente e, logo depois, viu seu rival, Thomas Jefferson, ganhar as eleições para presidente.

Porém, devido aquelas confusões das eleições americanas, foi considerado empate entre Thomas Jefferson e Aaron Burr, que foi desempatado no Congresso.

E, depois de muita articulação de Hamilton, ele conseguiu fazer com que Thomas Jefferson fosse eleito.

Alexander Hamilton

Eu sei, ficou um pouco confuso né? Mas, segundo ele, era preferível votar em alguém com princípios diferentes, do que alguém sem princípios. Treta pesada né?

Do mesmo modo, quando Burr candidatou para governador de Nova Iorque, Hamilton fez o mesmo. Burr então decidiu chamá-lo para um duelo.

Não esse tipo de duelo. Esse se tratava de um duelo de armas e, quem atirar primeiro, vence.

Burr vence o duelo, e em 12 de julho de 1804, Alexander Hamilton falece e, em seu testamento, ele disse que iria abdicar de seu tiro. Ou seja, caso Burr errasse o tiro, tudo continuaria normal.

Na Guerra de Secessão dos Estados Unidos, a imagem de Hamilton foi muito utilizada, por causa de sua influência na política do país. Ele estava na nota de 1000 dólares, e, até hoje, está na nota de 10 dólares.

Hoje, sua história é contada pelo musical da Broadway.

Eae, gostou do texto? Compartilhe com seus amigos.

Total
0
Shares
2 comments
  1. Olá! Parabéns pelo texto, e só uma prquena correção: Nem todos os pais fundadores assinaram a declaração de independência, são também pessoas que se destacaram no começo da história do país ( no caso Hamillton se encaixa nesse )

    1. Obrigada pela contribuição, Jael. É muito importante receber feedbacks para que nosso trabalho sempre evolua! Você pode continuar lendo mais psots como esse em nosso site.

      Larissa — Editora-chefe do BE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Anterior

Tudo sobre a participação de Bolsonaro no G20

Proximo Post

Qual a diferença entre Marketing Multinível e Pirâmide?

Talvez você goste