5 conceitos essenciais para entender o mercado

O mercado é um dos conceitos mais importantes na economia. É ele quem rege praticamente as nossas vidas, pois até o nosso trabalho entra nesse conceito, e a gente trabalha para praticar o mercado.

Mas, dentro dele existem conceitos muito importantes, e hoje listaremos cinco para você.

Quer saber mais? Vem comigo que eu te explico.

O que é o Mercado?

Antes de mais nada, temos que saber o que é o mercado. Ele não é nada mais nada menos que o “lugar” onde acontece trocas de bens e serviços de pessoas, empresas e organizações. Esse lugar não é necessariamente físico.

Porém, dentro do mercado existe alguns conceitos extremamente importantes e até simples que, além de ajudar a entender economia, ajudam até nossa vida financeira.

Vamos lá?

1 – Demanda

O primeiro conceito é a demanda. Ela representa a quantidade de bens e serviços que os consumidores estão interessados em comprar. Por exemplo, quando existem um produto que é moda, a demanda por ele aumenta. Foi o caso do famoso Fidget Spinner, lembram?

fidget spinner GIF mercado

Nessa época, podemos dizer que teve um “boom” na demanda por esse produto. Porém, nós demandamos produtos e serviços literalmente o tempo todo. Dessa maneira, a gente demanda água, energia elétrica, internet, e, no meu caso, demando comida o tempo inteiro.

A demanda é um dos fatores determinantes do preço de um produto ou serviço. Assim, quanto mais um bem é demandado, a tendência do seu preço é aumentar.

O exemplo mais claro disso foi o de álcool em gel no início da pandemia. O receio da contaminação por coronavírus fez com que as pessoas procurassem muito esse produto, que fez com que seus preços ficassem estratosféricos.

Pessoalmente, eu vi um frasco de álcool em gel valer 50 reais.

Porém, esse conceito não define o preço sozinho, junto com ele existe a oferta.

2- Oferta

Se as pessoas demandam produtos e serviços, eles devem estar disponíveis no mercado, ou seja, eles têm que ser ofertados para os consumidores. Dessa maneira, a quantidade ofertada de um produto ou serviço ajudam a definir o preço dele.

Por exemplo, todos os anos, em alguma época deles, existe o “meme do tomate”, onde o preço do tomate fica muito alto e as pessoas brincam com isso. Mas, por que esse preço oscila tanto?

Bom, os produtos agrícolas geralmente têm épocas boas de colheita. Nessas épocas, por ter muita oferta do produto no mercado, elas ficam com um preço bacana. Porém, a recíproca é verdadeira, em épocas ruins, a oferta é baixa e os preços aumentam.

Como o tomate é um bem muito demandado, não só por nós para fazer salada, mas também por empresas para fazer molhos, ketchup, entre outros, acaba existindo uma disputa para comprar esse tomate escasso.

Pense em um leilão, as pessoas e empresas ficam dispostas a pagar mais caro esse tomate para conseguir consumi-lo. Ou seja, quanto menor a oferta a tendência é de haver um aumento de preços.

Mas, porque é uma tendência e não uma verdade? Para esses preços realmente subirem por causa da oferta, ele tem que ter nenhuma alteração na demanda, ou até ter uma demanda considerável. Para entendermos mais, vamos ver o conceito de equilíbrio de mercado.

3- Equilíbrio de mercado

A demanda e a oferta já são conceitos fortíssimos separados, mas juntos são invencíveis. Se você não está na área de economia, pergunte para algum te explicar qualquer coisa relacionado a economia, ele vai te explicar usando a famosa lei da oferta e da demanda.

O equilíbrio de mercado nada mais é do que o equilíbrio entre oferta e demanda por um bem ou serviço. Dessa forma, é a partir dele que é definido o preço de um produto.

Vamos ao famoso gráfico:

Ver a imagem de origem mercado

Esse é o gráfico que representa o mercado. É um gráfico de Preço em função da quantidade e com duas curvas, a demanda, que é decrescente em relação ao preço e a oferta que é crescente em relação ao preço.

Em algum momento, essas curvas se cruzam. É ai que existe o equilíbrio de mercado. É o preço em que as pessoas estão dispostas a pagar em decorrência daquela quantidade de produtos no mercado.

Mas, como foi dito nos outros conceitos, essa demanda e oferta são maleáveis, ou seja, as curvas de um determinado mercado podem sofrer deslocamento para cima ou para baixo. Por exemplo:

Ver a imagem de origem mercado

Nesse gráfico, o mercado sofreu um aumento da demanda e a oferta não acompanhou esse aumento. Assim, ocorreu um aumento de preço do produto. Já em outro exemplo:

Ver a imagem de origem mercado

Nesse exemplo, houve o aumento de oferta sem a mudança na demanda, que fez com que o preço de um determinado produto diminuísse. Dessa forma, o mercado muda o seu ponto de equilíbrio de forma “natural” até, é a famosa “mão invisível do mercado“.

Mas, os produtos e serviços diferentes também se relacionam no mercado, ou seja, o aumento no preço de um pode influenciar na demanda e oferta de outro produto.

4- Elasticidade, Bens-Substitutos e Bens-complementares

Dentro do mercado existe o conceito de Elasticidade, o que ela significa?

A elasticidade mede a variação da demanda de um produto em relação a variação do seu preço. Vamos supor que a quantidade demandada de um produto é 50 e seu preço é 5. Assim, o preço dela aumenta para 10 e a quantidade demandada cai para 30.

Assim, houve uma variação de 50% no preço e de 40% na quantidade demandada.

Dessa maneira, quando colocamos tudo nessa fórmula:

Ver a imagem de origem

Temos que a elasticidade desse produto foi de -0,4, para entendermos o conceito, vamos ignorar esse sinal negativo, então foi de 0,4.

Mas, o que esse número representa?

Existem dois tipos de demanda de um produto, Elástica e Inelástica. Quando a demanda por um produto é elástica, significa que quando há o aumento de preço, a diminuição da demanda é maior do que a variação no preço.

Teoricamente, podemos dizer que o bem não é muito essencial. Por outro lado, quando a demanda é inelástica, a variação na quantidade demandada é menor que a variação no preço, ou seja, as pessoas compram mesmo que o preço aumenta, ou seja, é um bem essencial.

A elasticidade nos mostra isso, quando um bem é maior do que 1, essa demanda é elástica e quando é menor que 1, essa demanda é elástica.

Bens-substitutos e bens-complementares

Porém, o aumento no preço de um bem ou serviço influenciam na demanda de outros bens e serviços também, só que de duas maneiras diferentes. As vezes, o aumento no preço de um produto X causa uma diminuição na demanda do produto Y.

Isso se dá quando esse produto Y é um bem complementar do produto X. Por exemplo, carro e gasolina são bens complementares, quando o preço de carro aumenta muito, a demanda por gasolina abaixa.

Porém, quando o aumento no preço de um produto X aumenta a demanda por um produto Y, eles são bens substitutos. O exemplo mais claro é manteiga e margarina, se o preço de um aumenta muito, as pessoas vão demandar por o aumento de outro.

Mas, nem sempre é tão claro observar essas nuances no mercado, e para saber se o bem é substituto ou complementar, existe o cálculo da Elasticidade preço-cruzada, que tem como fórmula:

Ver a imagem de origem

Ou seja, quando ela é positiva, os bens são substitutos e quando é negativa, os bens são complementares.

Excesso de oferta e demanda

Por último, mas não menos importante, vamos ver exemplos de quando há um desequilíbrio no mercado. Para entender esse conceito, vamos utilizar o exemplo de congelamento de preços pelo governo, mas esses desequilíbrios podem ocorrer de diversas formas.

Vamos supor que o governo quer incentivar a compra de carros no Brasil e, para isso, decidiu que todos os carros tem que ter o preço de 20.000 reais. Dessa maneira, um carro que vale 60.000, por exemplo, vai passar a valer 20.000.

Geralmente acontece um fenômeno, as pessoas vão demandar mais esse carro, porém, não é viável para o fabricante produzir esses carros mais, e não vão ofertá-los na mesma proporção da demanda.

Assim, ocorrerá o excesso de demanda e a consequência geralmente é de não ter mais produtos para comprar, mesmo as pessoas querendo muito.

Por outro lado, o governo também pode determinar que um produto tenha um aumento de preço  artificial também. Os produtores dos produtos irão aumentar a produção, pois eles querem vender mais e terão mais lucros, porém, as pessoas não vão querer comprar, tendo um excesso de oferta.

E a consequência disso é a crise de estoque, onde as empresas terão estoques cheios, mas não irão conseguir vender.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos.

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Anterior

5 fatores que mudaram na vida dos britânicos Pós-BREXIT

Proximo Post

5 filmes sobre a crise de 2008 que você precisa conhecer

Talvez você goste